A viagem

21:49

E se eu tivesse alguma coisa para vender
Um rádio, um pátio, uma tevê
Vendia tudo e ia aí te ver

Abria mão do que me dizem que é
Do frio, do riso e da maré
Só freio, no carro e a marcha-ré

A estrada à espera de uma bela donzela
Intensa, uma louca, moleca
No rosto um sorriso à cautela

E ia, sozinha. Acabou a rima.
Ao encontro, do que tanto lhe custou
Era quem que merecia tanto amor?
Era ela, a liberdade em forma de ar.

2 comentário(s)

  1. "E se eu tivesse alguma coisa para vender..."

    eu falava com você.


    gostando e sentindo saudade

    bju-te

    ResponderExcluir
  2. Não me importo com o fim da rima! (aliás, não gosto dela...)
    Belo texto, parabéns!
    Paz.

    ResponderExcluir

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.