Brasil

23:28

Brasil, aonde cê tá indo? Não te contaram que na esquina tem uma armadilha que, se me permite a redundância, armada para te sabotar? Onde cê vai, querido? A esperança ainda não morreu, mas o abismo a espera. Melhor ir devagar, amado. A rua, a lua, a loucura das madrugadas, a cocaína no nariz de quem espera, o porto vazio cheio de sangue, a bandeira faltando estrelas, a cultura pedindo comida, a miséria dizendo que vai ficar, as rugas de quem já viveu suas desventuras, querido país; o desemprego do patrão, a nova comissão. Pra que lado cê tá indo, Brasil? Não falaram que quem espera sempre alcança? Você já foi a esperança das canções de Vandré. Acorde, meu filho. Não te disseram que os monstros lhe esperam? Eles são grandes e vêm de fora. Esse seu plano pode não dar certo. Abortar missão na cara do bote, não rola, patrão, não rola. Manda chuva é você. Manda chuva, papai do céu, iemanjá. Paquetá. É apneia, Brasil... É apneia. Se cuida, pra não virar bosta e ter que ir pelo ralo.

0 comentário(s)

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.