Confissões dolorosas II

23:47

Passaram-se dois anos e aconteceu o que eu temia. Eu me dôo e dói, por ti e até mesmo, para ti. Pra que é que fostes pra lá sem me avisar? Teu sermão de macho não me faz uma fêmea mansa. Teu amor aos pedaços e migalhas não me fez uma mulher satisfeita. O que me traz de volta a ti é o amor que não se esgotou. A saudade de me rasgar de vontade de ti. E de ver tu te rasgando de vontade de mim. Ouvindo aquela velha canção que falava sobre nós, sobre vós... Quem quer que fosse, o sentimento nos pertencia. Viciei em ti, meu amor. Viciei, principalmente, naquele jeito como me chamavas e nas tuas poesia velhas e chatas que falavam sobre bobagens. Dizias assim, quando chovia: "- Minha pequena, deita-te aqui no meu colo. Vamos nos completar". Eu ainda te amo.

0 comentário(s)

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.