Quando já não se é feliz, nem triste

16:48

Começa a prevalecer o desespero, por querer algo, para se sentir vivo. Qualquer migalha emocional que me faça pensar, morrer por dentro, errar. Não é tão difícil me fazer bem ou mal, sou poeta, sou artista. Toque-me da maneira errada que posso chorar dias, ou ficar irada por semanas e te dizer palavras que vêm do meu lado mais cruel. Toque-me da melhor forma, eu irei te amar, por um segundo ou por anos, talvez. Eu imploro, vida, qualquer pessoa, enlouqueça-me num desses dias em que não se tem nada pra fazer. Numa mesa do bar, contrarie todos os meus princípios e me convença de estar errada. Diga o que eu não quero ouvir. Eu já não sinto mais nada, então, por favor, diga que ama só para eu dizer que não posso e me afundar na dor que eu mais gosto.

2 comentário(s)

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.