Adeus, dor

11:56

Juarema, no meu galho, uma vez pulou
Parecia uma macaca, mas sem fibra e nem cor
Tinha dois olhos grandes, se não era uma coruja
Tinha dentes afiados, chamei-a bicho do mato

Era todo dia assim, Juarema se despia
E sem dó nem piedade, como diz minha tia Binha
A malvada maltratava.

Que um dia eu disse assim:
-Cabra meu, pegue a espingarda
Que essa doida não fica mais
E se ajunte mais dez guardas
Pra acabar com essa safada!

Quando viu os cangaceiros
Juarema recuou, como bicho indefeso
- Ô bicho homem,
Se como cristo tem compaixão
Me deixe viver, eu vou me aquietar
Mas pro inferno não vou, não!

Compaixão como a de Cristo
Ninguém nuna há de ter
Mas seus olhos tão bonitos
Me fizeram entender

A paz veio morar comigo
Juarema estava lá
Acanhada e escondida
Como um cão, fez-se acalmar
As notícias não eram muitas
Mas a paz há de reinar.

0 comentário(s)

Isabella Mariano

Blog com conteúdo autoral da escritora Isabella Mariano.

Conheça meus livros!

Saiba mais clicando aqui.