Bilhetinho de Deus

04:14

Estava eu, aqui, frente ao computador, sem aquele sono esperto que insiste em não chegar e fazer companhia. Ele anda meio ausente, acho que tá de birra, porque tenho o ignorado quando quero e querendo que ele venha a qualquer hora.
Mas, apesar dessa insônia maldita, a madrugada me concedeu algo belo. Ao passear pelos muitos blogs que tenho no canto direito do meu blog, em busca de algo novo, cliquei no Apenas Música, que por muitas e muitas vezes não me deixou desistir desse grande desafio que é ouvir apenas música cristã (Eita, saga complicada).
O post, que eu acabei parando para ler, foi o que está linkado logo acima. É um dos vídeos do Nooma, um grupo que faz um trabalho incrível, caso queria entender melhor clique aqui.
Bem, desde a primeira vez que o Apenas Música postou algo sobre eles, eu estava querendo assistir aos vídeos, mas era muito demorado para carregar no You Tube e eu não despertei para o link do download, mas enfim... O último vídeo que foi postado, deve estar incrível e dessa vez estou baixando. Só mais 37 minutos e já venho escrever mais para dizer como é.
Porém, eu sempre li os pequenos resumos que foram, cuidadosamente, traduzidos. E o resumo do Bullhorn, nona edição, está inteiramente reproduzido do Apenas Música aqui:

"Deus ama a todos, então um cristão deveria amar também. De fato, Jesus disse que a coisa mais importante na vida é amar a Deus com tudo que temos e amar os outros da mesma forma. Mas nem sempre é fácil amar a todos ao nosso redor, não é?

Às vezes nós discordamos fortemente com outras pessoas de posições políticas, religiosas, comportamentos ou de qualquer outra coisa, e isso dificulta a amá-los, quando sentimos que estamos bem e eles estão muito enganados. Mas Jesus não separa amar Deus e amar os outros. Então talvez a melhor maneira de mostrar o nosso amor a Deus é realmente amar todas as outras pessoas, não importa quão difícil isso seja às vezes. Talvez essa seja a única maneira."

Isso mexeu comigo. Porque não há nada que eu defenda mais, do que essas palavras que escritas aí estão. Não há nada que eu ache mais lindo do que crer nisso que foi dito logo acima. E me tocou tão fundo, que a alegria que está transbordando em mim, mas que por um momento pensei que fosse ilusão, insitiu em ficar.
Deus é tão perfeito e soberano que na triste e solitária insônia que a vida me prega, Ele me manda uma mensagem diretamente de onde Ele mora dizendo que o que eu penso, defendo e digo aos meus amigos (cristãos ou não) é o que ele quer que eu diga. E como ficar mais feliz depois dessa?
É por essas e outras (muitas outras) que arranco meus cabelos por não saber como há a possibilidade de não acreditar em Deus, porque alguém decidiu isso tudo que está ao meu redor e tenho convicção que não foi ninguém que seja humano como eu.
De qualquer maneira, é isso que eu sigo: o amor que Jesus Cristo nos ensinou. E, talvez, seja essa a minha "religião". Sou protestante, independente do que uma galera possa pensar antes de me conhecer. E sou feliz e amo. Amo a Deus e ao próximo, como a mim mesma.

1 comentário(s)

  1. Não posso deixar de comentar que eu estava pensando nesse assunto essa semana... Passei por uma das praças do bairro onde eu moro e tinha uma voz ecoando que chamava a atenção de todos. Eu não precisava olhar para saber quem era. Um pregador bem arrumado gritando muitas coisas, mas só dava para entender "Jesus, Palavra de Deus, pecado" e, enfim, sendo visto como louco para os que passavam pela praça. Eu fiquei a pensar justamente o que eu assisti nesse vídeo: por que ele tenta converter as pessoas que estão ali mostrando a ira de Deus? O amor que Ele tem por nós é bem maior, tanto que deu seu filho para morrer, sacrifício vivo e santo. Agradeço todos os dias por esse amor, mas deveria agradecer todo segundo.

    ResponderExcluir

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.