O que você aprendeu desde ontem?

13:49

Estava cumprindo minha função neste mundo sentada frente a esse computador não muito inteiro e fui supreendida pelo inesperado "trim" duplo que parte do aparelho telefônico. Ok. Não achei nada surpreendente nisso. O que iria se proceder, talvez me incomodaria em algo que eu devesse aprensinar (invenção momentânea).
Assim que disse meu "Alô" amigável, sem esperar que fosse alguém suficientemente legal, recebei como resposta um "Oi" muito desconfortado entre os fios do telefone. E num tom de tristeza.
- Que houve?
- Ressaca.
"Putz". Já estava imaginando o saco que seria. Não que eu não goste de ouvir as pessoas, mas ninguem deve ligar para ninguém por sentir uma dor-de-cabeça pós-encher-a-cara. Porém, para meu engano, não foi somente por isso a ligação. Foi desabafo de uma noite cheia de surpresas que havia passado. Creio que essa exposição de sentimento não, obviamente, haveria de ser apenar por ontem. Mas por um conjunto de "ontem". Algo que realmente incomodava, mas que permanecia inerte.
Tenho uma mania de querer melhorar o estado emocional das pessoas ou pelo menos tentar ajudá-las na escolha de que caminho seguir. E, por ser alguém que é de grande afeto e faz parte de mim, esforcei-me para dizer algo que pudesse ajudar. Como era esperado, as palavras começaram a surgir, mesmo que eu pudesse não estar cem por cento atenta. E me peguei dizendo:
- Quero que você pare para pensar na sua vida. Se você tem saido do lugar, tomado alguns passos. Não adianta nada viver para agradar os outros, se o que você faz não te agrada.
Aproveitei para esclarecer algumas atitudes minhas tão radicais e inesperadas, mas todas justificáveis. Achei maravilhoso pensar que eu pudesse dizer essas coisas. E, sabe, surgiu uma vontade imensa de continuar fazendo-as.
Eu nunca sei se ajudei, mesmo. Pelo menos, não na hora, claro. E sinto que o que eu quero há bastante tempo pode vir a tornar-se real. Apenas, pelas palavras. E não resisti em dizer:
- Palavras e carinhos se vão. Mas o amor de Deus fica.
É bom que saia dos nossas lábios coisas que praticamos. Não que seja o que sempre aconteça, mas é preferível. Eu gosto e prefiro aprender sempre. Esse ano está sendo ótimo, porque estou crescendo em áreas que eu não enxergava de maneira nenhuma e mudando pontos que eram intocáveis.
Sempre fiz sacrifícios, mas entendo melhor isso agora. Não é o "por que" deles, mas "para que". Para ser feliz, para encontrar uma paz e ter harmonia com o mundo e com Deus. É isso. Somente. Pessoas, amigos, família, mundo, consumo, músicas. Vivemos em uma busca constante, é a essência da vida. Porém, não significa que nunca encontremos. Acredito que chegamos a um ponto que sabemos onde encontrar a nossa paz e vivemos para permanecer neste ponto. Você faz tudo isso, mas realmente sabe o que significa?

2 comentário(s)

  1. seu blog tá lindo meu, sempre tá.
    vc que faz os layouts? pf, nem sei fazer no blogger xD
    o pretty G está out of my life ok. ahahaha

    ResponderExcluir

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.